BLOG MONTELONGO
Olhares para Fafe
30
Abr 16

Opinião de Alexandre Leite, eleito da CDU na Assembleia Municipal, publicada no jornal Notícias de Fafe:

 

Para que se viva hoje num outro país que não esse tão cinzento, para podermos hoje celebrar a revolução que rompeu com quatro décadas de uma ditadura fascista, foi preciso que muitos lutassem, sofressem, morressem até, lutando por um mundo mais justo. O 25 de Abril não nos foi oferecido nem caiu do céu. Foram precisos anos de luta dos trabalhadores e do povo. A justa luta contra o colonialismo e pela independência e soberania das nações africanas lideradas, entre outros, por Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Samora Machel, foi fundamental para que triunfasse o 25 de Abril. As lutas dos trabalhadores agrícolas do sul do país pelas 8 horas de trabalho diário. As lutas dos estudantes em defesa da autonomia universitária e contra a repressão. A luta dos trabalhadores da indústria têxtil cá em Fafe e por todo o vale do Ave, nas décadas de 1950 e 60. As lutas dos comunistas, cujo partido era proibido e que, na clandestinidade, organizou e ajudou os trabalhadores e o povo a resistirem à ditadura.

Os que viveram esse tempo vão lembrar-se, certamente, na próxima segunda-feira, da alegria que foi a libertação da ditadura há 42 anos. A esperança que sentiram de que era possível um país novo, democrático, livre e soberano. Revivendo essas memórias, alguns ficarão com os olhos embaciados ao recordar refrões das canções de Abril: “somos livres de voar”, “o povo é quem mais ordena”, “terra da fraternidade”, “agora, o povo unido nunca mais será vencido”.

É preciso lembrar e sublinhar também a importantíssima e corajosa ação dos militares de Abril que foram a chave que abriu a porta por onde, de seguida, passaram a democracia e a liberdade. E essa porta, quatro décadas depois, continua aberta. Mas, como todos sabemos, há quem desde o primeiro dia a tente fechar.     Apesar dos enormes avanços sociais proporcionados pelo processo revolucionário que se seguiu ao 25 de Abril, muitos foram e continuam a ser os ataques à Constituição da República Portuguesa. Apesar da criação do Serviço Nacional de Saúde, uma das mais significativas conquistas do povo português, há quem tenha saudades dos tempos em que os hospitais pertenciam às instituições de caridade, como as Misericórdias, onde o acesso aos tratamentos de saúde dependia da condição económica de cada um. Apesar da liberdade de expressão e da diminuição das desigualdades sociais no pós 25 de Abril, ainda há quem tenha saudades de “Marcelos Caetanos”.

A Constituição aprovada em 1976 é a pedra que impede que se feche a porta. É por isso que tantos ataques ela tem sofrido. É por isso que tão energicamente temos de a defender.  Nesta “Terra da Justiça”, onde nos encontramos, é preciso relembrar que não é a caridade mas sim a justiça social que faz jus à nossa Constituição. É defendendo as conquistas do 25 de Abril que se promove a justiça.


publicado por blogmontelongo às 18:00
comentários recentes
Obrigada "h" pela atenção. Já se corrigiu o erro.
Seria importante que as escolas não encerrassem an...
http://www.scoop.it/t/explore-minho/p/4024462499/2...
Da me a ideia que o senhor anda fugido de fafe. Ma...
Realmente a ligação à ruralidade tem vindo a perde...
Certíssimo caro Luís. Não há nenhuma relação com n...
Daquilo que me apercebi é que este novo blog "roub...
Bom dia AlbertoA minha ideia e manter o blog plura...
Eu faço parte daqueles, que no Verão passado se in...
Teste. Obrigado pelos comentários.
pesquisar neste blog
 




Contacto
blogmontelongo@sapo.pt
Mensagens
Na agenda:


Blog Montelongo


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Farmácia de Serivço




blogs SAPO