BLOG MONTELONGO
Olhares para Fafe
25
Mar 17

Opinião de Jesus Martinho, publicada no seu Facebook:

 

O "jornal de parede" localizado no extremo Poente da Praça 25 de Abril é um dos pontos mais concorridos do centro da cidade.

Com três secções apenas, o "jornal", sempre actualizado, é uma espécie de rede social de ar livre: Da esquerda para a direita, surge-nos a necrologia, o conteúdo mais apreciado, com os respectivos avisos fúnebres; na "página" central temos o lazer, com propostas diversas e escapadinhas a Fátima, e, por fim, a publicidade que vai do "limpa chaminés sem sujar" até às explicações de matemática.

Um ponto de passagem quase obrigatória, com mais visualizações que a minha cronologia do Faceboock...

Nunca aquelas montras foram tão vistas e estiveram, também, tão sujas!

Enfim, um tesourinho deprimente que se mantém há anos, em pleno centro cívico, cada vez mais concorrido por populares que não perdem uma do nosso "jornal de parede" central que, sobretudo às quartas-feiras, é um sucesso de leitores de fazer inveja a alguns periódicos locais.

fafe jornal parede

 


publicado por blogmontelongo às 18:00
Temas:
22
Mar 17

Uma outra vista sobre Fafe (João Carlos Lopes)

 

 

vista Fafe

 


publicado por blogmontelongo às 18:00
18
Mar 17

Opinião de Alexandre Leite, eleito da CDU na Assembleia Municipal, publicada no jornal Notícias de Fafe:

 

Ai, ai! São trocas baldrocas

Altas engenhocas

Que eles sabem inventar!

 

São palavras ocas

Faz orelhas moucas

Não te deixes enganar!”

 

     Esta música dos anos 80, popularizada num Festival da Canção pela Cândida Branca Flor, bem podia fazer de banda sonora da novela política que decorre em Fafe. Temos realmente assistido a um festival de altas engenhocas e trocas baldrocas explicadas com muitas palavras ocas. Mas cada um sabe da sua vida e faz as trocas que bem entende. Não podemos é deixar de assinalar as suas engenhocas e devemos mesmo fazer orelhas moucas às suas palavras ocas.

     O poder local democrático é uma importante conquista do processo revolucionário que se seguiu ao 25 de Abril de 1974. As autarquias são um palco privilegiado para desenvolver políticas que resolvam os problemas específicos que atingem as suas populações. Só com um verdadeiro envolvimento e participação das forças políticas locais no debate, na denúncia de problemas, na apresentação de soluções, se conseguirá melhorar as condições de vida dos fafenses e trazer a Fafe o progresso esperado pela sua população. Quando os principais líderes políticos se estão marimbando para isso e se sujeitam ao papel a que se têm sujeitado, é a democracia local que fica em risco. Quando a busca de cargos políticos não tem como primeira finalidade servir a população e se percebe que há cedências às clientelas partidárias, a interesses particulares, a jogos de poder, está a fazer-se o contrário do que deveria ser feito. Um bom sítio para truques, danças de cadeiras, cambalhotas e triplos saltos é o circo. Um bom sítio para política séria são as autarquias locais. Pena é que muitas vezes se confundam as duas coisas.

 

     Falo, claro, das recentes movimentações em vários sentidos com vista às próximas eleições autárquicas. Mas também podemos falar sobre a atuação dos atuais órgãos do poder autárquico. Temos uma Assembleia Municipal onde alguns dos seus membros ocupam as suas intervenções para falar sobre a vida interna partidária e ainda são elogiados por isso pelo próprio Presidente dessa Assembleia. Temos membros da Assembleia que pretendem discutir assuntos relevantes para os interesses do município, como foi o caso da escola do Santo na última reunião desse órgão, e em que é o próprio Presidente da Assembleia que impede que seja feito esse debate. Até aos membros da Câmara Municipal, provavelmente distraídos com as danças de cadeiras, não perceberam que um dos assuntos propostos pela Câmara já estava resolvido desde o início do ano. Com a colaboração do PCP no Parlamento, esse problema estava já resolvido com a entrada em vigor do Orçamento de Estado de 2017... Tivemos há umas semanas, aquando da aprovação dos protocolos com as Associações de Pais dos agrupamentos de escolas do concelho, os vereadores do PS, PSD e IPF, a chegaram finalmente à conclusão que estão a financiar as escolas sem critério - de forma provavelmente ilegal! – e que os trabalhadores não docentes estão em situação de precariedade. Apesar desta epifania colectiva, ninguém votou contra os ditos protocolos e os mesmos foram novamente aprovados…

Assembleia Municipal Fafe Baldrocas

Imagem: FafeTv

 

Ai, ai! São trocas baldrocas

Altas engenhocas

Que eles sabem inventar!

 

São palavras ocas

Faz orelhas moucas

Não te deixes enganar!”

 


publicado por blogmontelongo às 18:00
15
Mar 17

Fafe PSD Batista Marinho

 Consigo Fizemos a Diferença

"A política sem risco é uma chatice e sem ética uma veronha"

Francisco Sá Carneiro


publicado por blogmontelongo às 18:00
comentários recentes
Obrigada "h" pela atenção. Já se corrigiu o erro.
Seria importante que as escolas não encerrassem an...
http://www.scoop.it/t/explore-minho/p/4024462499/2...
Da me a ideia que o senhor anda fugido de fafe. Ma...
Realmente a ligação à ruralidade tem vindo a perde...
Certíssimo caro Luís. Não há nenhuma relação com n...
Daquilo que me apercebi é que este novo blog "roub...
Bom dia AlbertoA minha ideia e manter o blog plura...
Eu faço parte daqueles, que no Verão passado se in...
Teste. Obrigado pelos comentários.
pesquisar neste blog
 




Contacto
blogmontelongo@sapo.pt
Mensagens
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Farmácia de Serivço




blogs SAPO